ita eng fra bra deu

DOLOMITES DUCATI TOUR 2008

Itália – Setembro de 2008

Lola retornou sobre as “Grandes Montanhas” na ocasião da segunda edição das Dolomites Ducati Tour, que aconteceu em Val di Fassa  de 5 a 7 de Setembro.

Como aconteceu na edição de 2007, também este ano a manifestação foi esplendidamente organizada e tantos eram os motociclistas presentes em Campitello di Fassa  na Província de Trento.

 NO LAGO DI GARDA “BRINCANDO DE SER UM CÃO”

Sexta-feira, dia 05, Lola parte de Ravenna  com uma temperatura quente e a primeira pausa foi feita no Lago di Garda, onde o dia transcorreu todo em água, entre nados e mergulhos  , e brincadeiras de ser um cão.

Lola chegou ao Campitello di Fassa só por volta da noite, depois de ter atravessado o estupendo Val di Gresta, situado entre Riva de Garda e Isera  e dois passos alpinos, o Passo Nigra e o Passo Costalunga.... um “pequeno sinal” do DDT...

MUITOS PASSOS ALPINOS PARA O DDT 2008

A edição 2008 do DDT previa, de fato, atravessar os 8 passos alpinos: Valles, San Pelegrino , Nigra, Sella , Pordoi , Falzarego, Valparola e Gardena.

Sábado, dia 06, o clima era perfeito para a moto e Lola percorreu sem nenhum problema os 4 passos alpinos previstos no “road book”* num total de mais de 220 km.

O dia de sábado, em particular, começa com um ar um tanto fresco, mas o céu estava livre de nuvens e chuva, que até o momento não estavam previstas. Muitas motos presentes se encontravam no centro de Campitello e imediatamente, Lola ganha atenção mas não tem nenhuma intenção de sair de sua bolsa, quase com consciência do que aquela jornada estava reservando: Passo Sella, Passo Nigra, Passo Valles e Passo San Pelegrino.
 
A PAUSA EM PASSO SELLA...COM O CASAQUINHO DE INVERNO...

A subida ao Passo Sella  a uma temperatura não muito quente, aconselhava Lola a colocar o casaquinho de inverno, o que para ela não era nada desagradável: de fato, dorme até as últimas curvas e somente perto do cume, se levanta....boceja e chega ao passo, sentada com o focinho pra fora do pára-brisa....para a alegria dos motociclistas presentes.

Uma parada no Passo Sella é obrigatória: as motos do DDT já passaram e marcamos o encontro no Santuario di Pietralba, onde está prevista a pausa para o almoço.

Pegamos a moto em direção a Ortisei onde embocamos na belíssima estrada que, depois de diversas curvas e paisagens características, nos conduz ao vilarejo de Castelrotto  com uma característica igreja cuja cúpula em forma de “cebola” se destaca no vilarejo medieval.

“UMA PRINCESSA DOURADA” NO CASTEL PRESULE

A nossa meta é o pitoresco Castel Presule  situado em um estupendo vale, pouco acima de Fiè allo Sciliar: Lola gostou muito da longa pausa....para “brincar de ser um cão” , no amplo campo na frente do castelo...inútil dizer que partimos somente quando ela nos permitiu!

O silêncio e a quietude do lugar merecem realmente uma pausa!!

Depois de termos percorrido todo o Valle di Tires , começamos a subida ao Passo Nigra em total solidão: já era hora do almoço e as motos pela estrada são poucas...Lola, depois das corridas e das brincadeiras no Castel Presule, dorme tranqüila dentro da bolsa, com o focinho apoiado na cavidade anterior.

Só nas proximidades do Lago di Carezza Lola acorda e se senta com o focinho fora da bolsa, “guiando” as longas curvas sinuosas que precedem o esplêndido lago alpino.

Referente à edição 2007, este ano os organizadores dedicaram um amplo espaço para a cultura e para as tradições ladinas.

Eles consentiram ainda aos participantes a descoberta de ângulos de Trentino absolutamente inéditos e esplêndidos para a moto, como a zona que de Santuario de Pietralba que vai até Molina di Fiemme   passando pelo pitoresco vilarejo de Aldino.

Realmente uma descoberta!!!

Chegamos ao Santuario di Petralba  com bastante atraso, por causa do itinerário oficial e não tivemos muito tempo para pensar no almoço: assim que Lola viu os campos em volta da estrutura religiosa, não quis ser racional e mergulhou na grama fresca de onde só saiu quando o grupo de motos estava pronta para partir....e para nós nada de almoço!!!

LOLA ROSNA...MAS NAO LATE....

Em Molina di Fiemme, cumprimentamos o denso grupo de motos que, veloz, prossegue até Cavalese  e depois pelo vilarejo de Predazzo onde embocamos na estrada que nos levará ao Passo Valles  mas a nossa pausa está prevista para o Parco Natureale di Paneveggio e Pale San Martino, para admirar bem de perto os estupendos cervos que, livres, pastam tranqüilos no grande espaço vizinho a estrada.

Lola imediatamente deixa claro que ela não tem medo de grandes animais com cascos: assim que viu o primeiro cervo começa a emitir um sonoro rosnado...mas não late, quase como se quisesse não perturbar a quietude do lugar.

A subida ao Passo Valles é muito sugestiva: a estrada percorre inteiramente uma selva e um vale pouco conhecido, com um córrego onde Lola, na ocasião de suas viagens, apreciou para frescos e divertidos nados.

ETTORE....MATEJ.... STANIZLAV...

Em Passo Valles  encontramos um velho amigo de Lola: Ettore, um tranqüilo São Bernardo  que mora no restaurante localizado sobre uma passagem e assim que vê Lola descer da moto, atravessa a estrada para cumprimentar a chegada da Cocker motociclista.

Imediatamente Ettore faz as honras da casa nos acompanhando até a parte mais alta do passo, onde há uma igreja alpina, cheia de beatos rezando: um lugar muito sugestivo e pleno de fascínio!

Em Passo Valles conhecemos dois viajantes: Matej e Stanislav, ciclistas eslovenos provenientes de Santuario de Aulla.... próximo a La Spezia en Toscana.

Estes dois autênticos “gira mundo” partiram há cinco dias da Eslovênia  e só nesses sete dias, deveriam percorrer, com bicicletas normais, nada especializadas e sem uma vestimenta de “racing”(com sandálias comuns nos pés...), estradas e passos alpinos, enfrentando o ar frio e a chuva!!

Contaram-nos que em 2007 estiveram, sempre de bicicleta, em peregrinação pela Espanha   em Santiago di Compostela  com recursos econômicos mínimos. Ao final do nosso encontro, lhes demos vários brindes de Lola que, nos asseguraram, levarão sempre consigo em suas peregrinações pelas estradas da Europa

UM IOGURTE COM FRUTAS DE BOSQUE EM SAN PELEGRINO

A descida de Passo Valles foi feita bem rápido, com Lola “envolta” no seu casaquinho: a temperatura está caindo rapidamente.

Ao final da descida de Valles, pelo menos para nós, é um dos trechos mais sugestivos e tecnicamente mais difíceis de enfrentar de todas as Dolomiti: a subida ao Passo San Pelegrino, com uma primeira série ininterrupta de curvas sinuosas que serão enfrentadas com vontade, mas também com notável cautela, sobretudo na presença de trafego intenso.

Sobre o Passo San Pelegrino o ar está frio mas ainda com um belo sol e aproveitamos para uma breve pausa, apropriada para aproveitar os últimos raios de sol e deixar Lola a fazer suas “necessidadezinhas”...e a nós para provar um ótimo iogurte de frutas do bosque..!

A descida até Moena fizemos sozinhos: somente alguns carros e um par de motos.

A chegada a Campitello fecha, para Lola, o primeiro dia do DDT: depois de ter comido no quarto, se entocou sobre a cama e nos deu “Boa noite”...ela não tem a mínima intenção de nos acompanhar no jantar que, daqui a pouco, começará no Centro Esportivo de Campitello...muito melhor dormir no hotel  tendo em vista que amanhã, nos aguarda uma difícil jornada.

O CLIMA MUDOU....OS “AVISOS” DA GRANDE MONTANHA...

Domingo, dia 07, o clima está completamente diferente: nuvens baixas e elevada humidade....há perigo de chuva e isso deve-se levar em conta nas Grandes Montanhas, sobretudo se for percorrer os picos Passi Pordoi, Falzarego, Valparola, Gardena e Sella, todos a mais de 2.000 metros de altura!

Iniciamos um passeio de moto com uma “promessa” feita para Lola: no primeiro “aviso” da Grande Montanha, o nosso passeio seria interrompido imediatamente.

A subida ao Passo Pordoi foi feita sem nenhum problema, mas ao horizonte, as nuvens não prometem nada de bom.

Chegando lá em cima, Lola não perde a ocasião de “brincar de ser um cão”, nos grandes campos abaixo do Sass Pordoi  e em companhia de um outro velho amigo: Rudy, um simpático cão cor de mel, que numa ocasião anterior à passagem da Cocker motociclista, não perdeu a ocasião de convidar Lola para brincar

A pausa no Passo Pordoi não nos deixa estar juntos ao grupo das motos e percorremos sozinhos a descida até Arabba  e logo “chega o aviso da Grande Montanha”: nuvens tão baixas que viraram neblina e asfalto sempre molhado....não era uma boa situação, sobretudo para quem deve escalar o Passo Falzarego, localizado a 2.105 metros de altura.

 “...A ESTRADA ESTÁ FECHADA: AS NEBLINAS A PROTEGEM..!”

Em algum km depois do vilarejo de Arabba  a Grande Montanha nos dá outro aviso: a neblina se transforma em chuva e decidimos que é o momento de pararmos e não desafiar a grande Montanha.

Invertemos e nos dirigimos ao Passo Campolongo   e nos demos conta que a nossa escolha foi justa: sobre o passo não chove e a temperatura está agradável, mesmo que o sol já esteja completamente coberto por nuvens.

Depois de uma longa pausa sobre os campos de Passo Campolongo, fomos até Alta Val Badia.

Em Corvara  começa a subida até Passo Gardena, onde nos aguarda uma temperatura muito fresca e, infelizmente, também a chuva, até aquele momento sempre evitada.

O Passo Sella está completamente envolvido por nuvens e de fato, a estrada para chegar a Campitello estava fechada: a Grande Montanha não será desafiada!

CHEGA A CHUVA...UMA PAUSA GULOSA EM VAL DI TIRES...

A única alternativa é dirigir-se, como no dia anterior, até Ortisei  onde ao horizonte não aprece haver perigo de chuva....e desta vez a Grande Montanha está a favor de Lola: a chuva cessa imediatamente nas proximidades do vilarejo de Santa Cristina, onde uma pausa é obrigatória para “respirar”...mas Lola dorme tranqüila, perfeitamente seca e não acorda por nada.

Nesse meio tempo, a estrada para o Passo Sella está completamente imersa nas nuvens e este é outro aviso da Grande Montanha.

Resta-nos uma única escolha: passar por Castelrotto  e depois percorrer o Valle di Tires  subir aos Passi Nigra e Costalunga de onde uma estrada panorâmica nos conduziria a Vigo de Fassa, e assim, à Campitello.

O itinerário foi completamente “pulado” e vale fazer uma pausa gulosa em Val di Tires para saborear a cozinha do amigo Andreas, excelente Chef e ótimo gestor da Gasthof Edelweiss com vista para o Rosengarten:  nos aguarda o mítico Tris di Canederli e os Tortelli de batata com cabra e manteiga derretida... Merecemos uma pausa!!

Alguns minutos depois de estarmos sentados na nossa mesa, a Grande Montanha nos lança outro “aviso”.

A chuva que deixamos em Santa Cristina nos alcançou aqui...uma terrível chuva torrencial que durou vários minutos... comemos o “Tris di Canederli”  quente no prato....e Lola que tranqüila comia a porção gigante de abobrinhas italianas e cenouras ao vapor preparadas por Chef Andreas....inútil correr riscos!!

INTERESSANTE NOVIDADE PARA 2009....

Com calma, pegamos a moto e, velozes, percorremos o Passi Nigra e Costalunga: para Lola o DDT já acabou... a chegada a Campitello representa a ocasião para cumprimentar o amigo Ivan Ragnes, incansável organizador (junto com Tarcisio Cereda) do DDT que, para 2009, nos antecipa a chegada de “novidades” motociclísticas de caráter internacional.

Como aconteceu durante na edição anterior, a “Cocker Motociclisita” apreciou muito a hospitalidade e as atenções, tanto dos bravos organizadores quanto dos participantes e, mais uma vez, Dolomites Ducati Tour nos presenteou  com paisagens encantadoras das Dolomiti.

 
    CASTEL PRESULE CASTEL PRESULE PASSO VALLES LOLA + ETTORE STANISLAV + MATEJ PASSO PORDOI PASSO PORDOI PASSO GARDENA PASSO GARDENA
 
  web design Elevel